Aventura escrita pelos alunos do 4ºano

Crianças descobrem o tesouro de Amadeu

“A simples visita aos bastidores de uma sala de espectáculos pode resultar na edição de um livro. Pelo menos, é essa a ideia a concretizar depois de dezenas de crianças terem já participado na escrita de uma narrativa, em resposta ao apelo lançado pelo Teatro do Campo Alegre, no Porto, numa estreita colaboração com o escritor João Pedro Mésseder. Ontem, os co-autores assistiram à leitura encenada desse texto, interpretada por Miguel Rimbaud.

“O tesouro do teatro” é como se chama a história para a qual contribuíram alunos do 4.º ano do Colégio Nossa Senhora de Lourdes. Depois de, em Fevereiro, terem conhecido as partes visíveis e invisíveis do Teatro do Campo Alegre, foi-lhes sugerido um projecto de escrita em conjunto. O empenho foi muito, a resposta surgiu pronta, por meio de um endereço electrónico criado para o efeito, e o resultado foi ontem mostrado aos participantes.

Foi uma aventura inédita para todos. José Pedro Mésseder, a quem coube o trabalho de reescrever e explicar alguns pontos da história, confessou-se “surpreendido com tanta imaginação”, repleta de lances dramáticos e de situações cómicas. E não faltou também uma série de desenhos, feitos pelos miúdos, para ilustrar esta leitura encenada. Para o escritor, estes pequenos autores “estão prontos a escrever mais histórias no futuro, seja sobre piratas, seja sobre outras coisas”.

Enquanto isso não acontece, fica o desejo de que a história seja publicada e, por outro lado, que os pais destas crianças possam assistir a uma outra sessão de leitura encenada. A de ontem foi igualmente inédita para o actor Miguel Rimbaud, visto que nunca tinha trabalhado sobre um texto escrito, em grande medida, por crianças de 9 e 10 anos. Dramaturgos que lhe dirigiram rasgados elogios, salientando as suas qualidades de “representador”.

“Foi óptimo entrar no imaginário deles directamente”, salientou Rimbaud, que se desdobrou em variadas personagens no pequeno palco do auditório do Planetário. E que imaginário será esse, afinal? “Há nesta história um pouco de Harry Potter e de Piratas das Caraíbas, mas não deixa de ser uma aventura de piratas à moda antiga”, disse. Na verdade, a narrativa contém tudo corsários, mapas, ilhas, tesouros. Até a alma do teatro.

Amadeu, a personagem central, é um miúdo que entra à socapa numa sala de teatro e embarca numa aventura que há-de levá-lo ao ponto de partida. Pelo meio, conhece muitos piratas e também Amélia, actriz que roubara um baú contendo desenhos, peças teatrais e adereços. Amadeu encontra esse tesouro e devolve-o ao teatro de onde fora roubado, salvando-o. Depois, é convidado a participar numa peça.

A iniciativa não despertou apenas a inspiração destas crianças. Muitas das meninas dizem agora que querem ser actrizes, apesar de anteverem uma pequena dificuldade, aqui resumida na voz de Teresa Azevedo “É preciso decorar muitas frases”.

As escolas que queiram participar no projecto devem contactar o Serviço Educativo do Teatro do Campo Alegre.”

Noticia escrita por:Isabel Peixoto in http://jn.sapo.pt

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print